II Concurso Literário

Um trem passou por aqui – A importância da ferrovia para a região do Jaraguá

A via de ferro pela qual hoje circulam os trens da linha 7 (Rubi) da CPTM e as composições cargueiras da MRS Logística guarda uma história de pioneirismo e mudanças não apenas para a região próxima ao mais alto pico paulista, mas para todo o estado de São Paulo. Vamos conhecê-la?

A urgência do café

Na segunda metade do século XIX, a economia da região Sudeste se expandia com rapidez. Em São Paulo, a valorização e a exportação do “ouro verde” possibilitaram o surgimento de uma elite cafeeira ainda no tempo imperial, esta dotada de grande poderio econômico.

Havia, porém, um incômodo entrave no tocante ao escoamento do produto: Para atingir os navios atracados no Porto de Santos era necessário transpor a Serra do Mar, limite da natureza entre o litoral e o planalto. Além de demorada, a travessia em lombos de burros era cara, permitia volumes pequenos e estava à mercê das complicações meteorológicas – a quantidade de carga que ficava pelo caminho fazia os grãos perderem parte de sua competitividade no mercado externo. Aos produtores, uma solução era assunto urgente.

Em 15 de março de 1860, tiveram início as obras ferroviárias, em cujo trecho serrano a escavação foi feita somente com cunhas e pregos, pois a instabilidade do terreno não permitiu o uso de explosivos. Na região da mata, para proteger o leito de ferro das chuvas, ergueram-se paredões de alvenaria, com altura máxima de 20 metros. O contrato de 8 anos foi cumprido com adiantamento de 10 meses, tendo início o tráfego na totalidade do percurso em 16 de fevereiro de 1867, quando o primeiro trem atingiu Jundiaí.

 

O Transporte de Passageiros

Embora a São Paulo Railway transportasse pessoas, notadamente imigrantes, o fluxo aumentou significativamente após a inauguração de outras empresas, como a Cia. Paulista de Estradas de Ferro, a Sorocabana e a Mogiana. Com elas, os trens atingiram as fronteiras da então província, prontos a levar e trazer gente e mercadorias até seu exato destino.

Todavia, a partir dos anos 1950, a política rodoviarista do presidente Juscelino Kubitscheck determinou, ainda que lentamente, a deterioração do sistema férreo. A diminuição de horários e a supressão de ramais e paradas, aliadas a uma manutenção cada vez mais precária, desembocaram na desativação do transporte de longo percurso em 1999. Passageiros passaram a circular apenas em linhas metropolitanas, que representam uma ínfima parte da malha paulista; esta, em seus tempos áureos, chegou a contar com cerca de 8.000 km de vias abertas ao tráfego.

Embora a São Paulo Railway transportasse pessoas, notadamente imigrantes, o fluxo aumentou significativamente após a inauguração de outras empresas, como a Cia. Paulista de Estradas de Ferro, a Sorocabana e a Mogiana. Com elas, os trens atingiram as fronteiras da então província, prontos a levar e trazer gente e mercadorias até seu exato destino.

Todavia, a partir dos anos 1950, a política rodoviarista do presidente Juscelino Kubitscheck determinou, ainda que lentamente, a deterioração do sistema férreo. A diminuição de horários e a supressão de ramais e paradas, aliadas a uma manutenção cada vez mais precária, desembocaram na desativação do transporte de longo percurso em 1999. Passageiros passaram a circular apenas em linhas metropolitanas, que representam uma ínfima parte da malha paulista; esta, em seus tempos áureos, chegou a contar com cerca de 8.000 km de vias abertas ao tráfego.

A Estação Jaraguá

Inaugurada em 1891 sob o nome de Taipas, a estação passou a ser chamada Jaraguá (do tupi “senhor do vale”) nos anos 1940, quando um posto telegráfico homônimo, situado a cerca de um quilômetro de distância, foi desativado.

Inicialmente operavam no trecho as composições de longo percurso da São Paulo Railway, depois somadas aos trens suburbanos da Estrada de Ferro Santos a Jundiaí / Rede Ferroviária Federal. Desde o fim da década de 1990, trafegam apenas os comboios da CPTM que ligam Jundiaí à Luz, com conexão imediata para Rio Grande da Serra – a extensão operacional com destino a Paranapiacaba foi desativada e hoje é servida apenas com as viagens quinzenais do Expresso Turístico.

De construção peculiar, dada a via em curva e o relevo, a Estação Jaraguá tem suas plataformas sentido interior e capital instaladas em locais distintos, cortadas ao meio por uma antiga passagem de nível. O local já sofreu um incêndio em outubro de 1983, protesto dos usuários descontentes com os constantes atrasos nos serviços, e, desde 21 de junho de 2010, é tombado pelo patrimônio histórico paulistano.

Concurso literário UM TREM PASSOU POR AQUI – Participe!

Interessou-se pela história que acabamos de contar? Conhece ou gostaria de escrever outras? Então não perca tempo... A OSCIP Passatempo Educativo promoverá, neste semestre, um concurso de redações ligadas ao tema ferroviário, com uma premiação imperdível: vale-presente para os primeiros colocados. Seu professor também será premiado!

Período de inscrições: até 11/05/2012. Retire o regulamento na Secretaria de sua Escola.

Você poderá participar com quantos textos quiser.

HOME